Quarta Colônia (169): mudanças entre as edições

De Doisac
Ir para navegação Ir para pesquisar
Linha 68: Linha 68:
Outra presença nas mesas da região é a típica mistura alemã de sabores doces com salgados. As cucas dividem as atenções com os pratos salgados, e sabores adocicados temperam saladas e outras iguarias tradicionais. Loreci Terezinha Righi, natural de Vale Vêneto, lembra que na Quarta Colônia, por influência dos imigrantes, há duas versões de cucas. “Enquanto a cuca alemã é baixinha, acompanhada por uma espécie de geléia como recheio, a italiana é bem mais alta, servida com erva doce como tempero”, lembra Loreci.  
Outra presença nas mesas da região é a típica mistura alemã de sabores doces com salgados. As cucas dividem as atenções com os pratos salgados, e sabores adocicados temperam saladas e outras iguarias tradicionais. Loreci Terezinha Righi, natural de Vale Vêneto, lembra que na Quarta Colônia, por influência dos imigrantes, há duas versões de cucas. “Enquanto a cuca alemã é baixinha, acompanhada por uma espécie de geléia como recheio, a italiana é bem mais alta, servida com erva doce como tempero”, lembra Loreci.  


<center>[[Imagem:Pagina3tresgaleto.jpg|border|250px|]]
<center>[[Imagem:Pagina3tresgaleto.jpg|border|350px|]]


<small>O galeto ganha as vezes de protagonista.
<small>O galeto ganha as vezes de protagonista.
Linha 75: Linha 75:




<center>[[Imagem:Foto2pagina3 cucas.JPG|border|400px|]]
<center>[[Imagem:Foto2pagina3 cucas.JPG|border|600px|]]


<small>As versões de cucas doces também são verdadeiras perdições e de sabor único quando oriundas da região. Na foto, algumas delícias direto de Agudo.
<small>As versões de cucas doces também são verdadeiras perdições e de sabor único quando oriundas da região. Na foto, algumas delícias direto de Agudo.


Créditos: Andrewes Koltermann</small></center>
Créditos: Andrewes Koltermann</small></center>

Edição das 15h17min de 9 de maio de 2011

Capa4colonia8janeiro2010.jpg

Quarta Colônia

  • Data de Publicação: 15 de janeiro de 2010



Especial Cidades & Cotidiano

Da uva, o vinho. De Silveira, a projeção agrofamiliar

Para quem não sabe, a produção de uva em Silveira Martins é tradicional. Destaque no município, especialmente quando se observa as potencialidades do turismo local e da produção agrofamiliar, o desenvolvimento da cultura faz parte de sua história. Segundo Cássia Fabrício, secretária de Cultura, Turismo, Desporto e Eventos, o município é o berço da cultura da uva e do vinho na região da Quarta Colônia: “Do início da colonização italiana na região até os anos 1970, a localidade teve destaque na produção vitivinícola.

O fato é que as regiões de Val de Buia e Val Feltrina ganham vezes de protagonistas dados seus parreirais e qualidade dos vinhos. E também por esse motivo a região atrai os turistas e a sua atenção. A produção artesanal é um dos aspectos que proporciona o diferencial. “Atualmente, filhos e netos de antigos produtores da região estão retornando às propriedades, replantando parreirais e retomando a produção”, revela a secretária. Devido às chuvas a produção está relativamente baixa. Acredita-se, no entanto, que a situação seja temporária.


Mais

As pessoas que visitarem a cidade devem aproveitar para conhecer localidades típicas como Val Feltrina, Val de Buia e Pompéia, onde encontrarão toda uma arquitetura típica, baseada em pedra e tijolos, uma característica da paisagem rural e urbana das localidades de imigração italiana na Região Centro do Estado. Subindo a serra pela Estrada do Imigrante, à esquerda há o Val Feltrina, vale da uva, do vinho, dos licores, da cachaça (produzida artesanalmente), das cascatas e trilhas de turismo ecológico. Retomando a estrada do Imigrante em direção à sede do município, se chega à comunidade de Val de Buia, onde foi localizado o barracão que recebeu os primeiros imigrantes italianos da região.

Caminho da Uva e das Águas

O Caminho da Uva e das Águas integra as comunidades de Val de Buia e Val Feltrina e faz parte da Rota Turística e Gastronômica Santa Maria-Silveira Martins. O seu objetivo é proporcionar aos visitantes um contato com a natureza e a cultura local. Além de conhecer as propriedades rurais de Val Fetrina, o visitante pode apreciar as belezas naturais da localidade.

Festa A 5ª edição do Festival da Uva e das Águas de Val Feltrina e Val de Buia promete ser mais uma atração para quem gosta de visitar a região. Neste ano devido as chuvas, que afetaram a maturação dos frutos, não vai ser possível realizar o evento em duas etapas, como ocorria tradicionalmente. Entretanto, a ideia é motivar e valorizar a atividade. E, por isso, o evento permanece na grade de programação. A atividade será realizada entre 30 e 31 deste mês. “Não só o Festival, como outros eventos, têm o propósito da valorização de nossa gente e também de cultivar e resgatar as tradições de seus antepassados”, finalizou Cássia.

Paginainicialfotoum1capaFoto uva.jpg


Pesquisa & Realidade

4ª Conferência das Cidades da Quarta Colônia

José Itaqui*

Ontem dia 14 de janeiro de 2010, aconteceu a 4ª Conferência Regional das Cidades da Quarta Colônia. São João do Polêsine recebeu prefeitos, secretários municipais e representantes de entidades públicas e da sociedade civil para, durante uma jornada, discutir as cidades e suas projeções. Os Planos Diretores Municipais são, na verdade, grandes guarda-chuvas que necessitam, para que se tenha em conta a dinâmica do desenvolvimento de cada um dos municípios e da região como um todo, de planos complementares, e este foi o assunto da 4º Conferência Regional das Cidades da Quarta Colônia. Os Planos de Habitação, instrumento básico para a condução do processo de ocupação das áreas urbanas e rurais, com qualidade de vida, independente de condições sociais ou econômicas de seus moradores. A ausência deste plano tem levado à ocupação de áreas impróprias e o que se pretendia combater acaba gerando, devido a condições ambientais adversas ao objeto fim (distância dos locais de trabalho, ausência de infra-estruturas de serviços etc.), desorganização social, dependência e, consequentemente, uma menor qualidade vida para o conjunto da população. Outro ponto discutido foi o Plano de Saneamento Ambiental, que estabelece um conjunto de diretrizes, projetos e ações, sustentadas em leis e serviços públicos, que objetivam a qualidade de vida do cidadão através da conservação do seu ambiente, biótico e abiótico. Do manejo das águas pluviais, do tratamento de águas servidas, dos dejetos cloacais, industriais e hospitalares. A casa, célula básica de uma cidade, para ter qualidade de vida e valor econômico depende de como são tratados seus dejetos e a qualidade ambiental do seu entorno. A qualidade de vida começa na unidade habitacional, no quarteirão de cada vila ou bairro e na cidade como um todo. Um terceiro item e que é básico, organizador dos os demais, é o Plano Viário. Ele garante a mobilidade urbana com segurança das diferentes necessidades e especificidades dos mais diversos setores habitacionais, industriais e rurais. Ele dá as condições para o exercício do ir e vir do cidadão pedestre ou motorizado com segurança. O tráfego de veículos de passeio, de passageiros, de serviços de urgência (médicos, bombeiros e policiais) como o de transporte de cargas em suas diferentes modalidades e normas de segurança. Todos estes assuntos são de ordem técnica e política e para que tenham legitimidade necessitam de instrumentos que possibilitem a participação da sociedade organizada na gestão do município e este espaço é do Conselho das Cidades e, na região, o Conselho Regional das Cidades da Quarta Colônia. Estes foram os núcleos temáticos debatidos na 4ª Conferência Regional das Cidades da Quarta Colônia. Nos próximos cadernos estaremos divulgando os resultados e propostas da Conferência. O Estado, nos últimos 20 anos, tem se transformado radicalmente e já não basta reivindicar recursos deste ou daquele programa. Não é suficiente que o gestor tenha consciência empírica das necessidades sociais de seu município e uma boa articulação política, mas é básico que ele tenha, de baixo do braço, projetos que tomem em conta estas necessidades locais no contexto da sua regionalidade. É nesta dimensão que se dá o desenvolvimento e para isto o gestor deve estar sentado em políticas públicas de médio e longo prazo. Em instrumentos técnicos e legais, socialmente construídos, que dêem sustentação ao encaminhamento dos pleitos. Após a realização da Conferência, durante coquetel de confraternização, o CONDESUS, contratante, e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFSM, executora, fizeram a entrega dos Planos Diretores de Agudo, Dona Francisca, Ivorá, Nova Palma, Pinhal Grande, Restinga Seca e São João do Polêsine. O plano de Faxinal do Soturno foi o piloto deste projeto e encontra-se tramitando na Câmara Municipal de Vereadores. O de Silveira Martins foi realizado, em 2008, por uma empresa privada. Um segundo produto entregue foi o Planejamento Ambiental da Quarta Colônia, instrumento fundamental para a integração regional. Integração que se dá no dia-a-dia e é esse caráter construtivo e aberto, concertado no andar conjunto, que estamos construindo a nossa regionalidade.

Secretário Executivo do CONDESUS* condensus@quartacolonia.com.br


Pesqisapaleontologica1DSC 2079.JPG

O Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da Quarta Colônia foi o local onde o evento foi realizado.

Créditos: Andrewes Koltermann


Quarta Colônia Viva

Galeto, presença garantida nas mesas da região

Aos domingos e em datas comemorativas, a tradição em muitas famílias aponta para um delicioso churrasco. Na Quarta Colônia, contudo, tal hábito divide espaço com um prato típico das colônias italianas do sul do País – o Galeto. Originário da Itália, o prato era chamado de “passarinhada”, mas aqui no Brasil os pássaros foram substituídos por frangos pequenos. O prato também é visto em uma versão diferente, preparado com aves maiores e menos cortes. Ambas as opções são deliciosas, dividindo o espaço com outras delícias. Massas, polenta e as saladas verdes também são iguarias presentes, estando sempre junto a um bom Galeto.

Outra presença nas mesas da região é a típica mistura alemã de sabores doces com salgados. As cucas dividem as atenções com os pratos salgados, e sabores adocicados temperam saladas e outras iguarias tradicionais. Loreci Terezinha Righi, natural de Vale Vêneto, lembra que na Quarta Colônia, por influência dos imigrantes, há duas versões de cucas. “Enquanto a cuca alemã é baixinha, acompanhada por uma espécie de geléia como recheio, a italiana é bem mais alta, servida com erva doce como tempero”, lembra Loreci.

Pagina3tresgaleto.jpg

O galeto ganha as vezes de protagonista.

Créditos: Divulgação


Foto2pagina3 cucas.JPG

As versões de cucas doces também são verdadeiras perdições e de sabor único quando oriundas da região. Na foto, algumas delícias direto de Agudo.

Créditos: Andrewes Koltermann