SEARCH
TOOLBOX
modified on 23 de novembro de 2010 at 18h46min ••• 3 337 views

Celetro - Especial

De Wiki.dois

Capa39anosceletropronta.JPG

Especial Celetro

  • Data de Publicação: 20 de setembro de 2008



Tabela de conteúdo

CELETRO Especial

Energia para quem produz


  • Cooperativa completa 39 anos e revela passado e presente de perseverança
  • Sonho de eletrificação rural é realidade e ganha novas perspectivas
  • Responsabilidade social também alimenta produção de energia e trabalho eficaz



Da união, a eletrificação

Energia para quem produz é missão há 39 anos


A eletrificação rural é uma das principais benfeitorias da propriedade pelo elevado benefício que proporciona. Ela permite o desenvolvimento de atividades com alto grau de eficiência na produção agrícola e pecuária. Antes encarada como diferencial e hoje como necessidade, a eletrificação rural também possibilita a industrialização primária da propriedade, com a instalação, por exemplo, de miniusinas de leite, de abatedouros, de máquinas de beneficiamento e ensacamento automático de grãos, entre inúmeras vantagens. E, foi pensando nisso que, há 39 anos atrás, lideranças da região central não se intimidaram com as longas distâncias e um elevado custo que dava a esse sonho a qualidade de impossível.

Aos nove dias do mês de setembro do ano de 1969, numa época onde a modernidade e a gestão do conhecimento a partir da tecnologia ainda não eram tendências globais, uma reunião no município de Restinga Seca marcava o início de uma história de sucesso. No tradicional clube Seco, prefeitos e outras autoridades da região fundaram a Cooperativa de Eletrificação Centro Jacuí Ltda, a Celetro. Na oportunidade, ocorreram as primeiras subscrições de capital e as primeiras quotas capitais da cooperativa.

Em 1970, a prefeitura de Cachoeira do Sul locou uma sala, trazendo a Celetro para a cidade. Já em 1972, adquiriu uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH) no rio Soturno, em Nova Palma, que na época energizava a cidade de Dona Francisca. O espaço físico e de abrangência da cooperativa foi crescendo e, na medida em que colaboradores e associados mais acreditavam em seu desenvolvimento, mais a Celetro se legitimava na posição de líder na região.


Fotoaereaceletropagina2especialceletro.JPG

Vista aérea do parque da Celetro, que tem como negócio a energia para o desenvolvimento regional e qualidade de vida.

Créditos: Marketing Celetro


27 municípios de abrangência na região central do Estado - Atualmente, a cooperativa atende principalmente nas zonas rurais os municípios de Cachoeira do Sul, Agudo, Arroio do Tigre, Caçapava do Sul, Candelária, Cerro Branco, Dona Francisca, Encruzilhada do Sul, Estrela Velha, Ibarama, Lagoa Bonita do Sul, Lagoão, Lavras do Sul, Nova Palma, Novo Cabrais, Paraíso do Sul, Passa Sete, Pinhal Grande, Restinga Seca, Rio Pardo, Salto do Jacuí, Santa Maria, Santa Margarida do Sul, São Sepé, Segredo, Sobradinho e Vila Nova do Sul.


Exemplo de dinamismo e perseverança – O presidente da Celetro, José Benemidio Almeida é dos protagonistas nessa história. Gerentes de área e colaboradores são unânimes na opinião. “A força de vontade dele foi a motivação daqueles que escreveram essa história, ainda é daqueles que aqui permanecem e se torna referência para quem ingressa”, diz Jair Scarparo, gerente financeiro e colaborador da Celetro há 23 anos e meio. O presidente, emocionado, revela que os elogios denotam reconhecimento e que o fazem mais crer no cooperativismo. “Se um motiva o outro, estamos falando de união e ela sim traz resultados. Se todos juntos fazem da minha administração positiva, todos associados ganham. É esse o objetivo”, simplifica Almeida.


Fotopresidentepagina02celetro.JPG

Almeida (foto) valoriza os princípios da união.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Da razão de ser, a qualidade

Trajetória revela associado como prioridade


A teoria aponta o cooperativismo como um movimento, filosofia de vida e modelo socioeconômico capaz de unir desenvolvimento econômico e bem-estar social. Seus referenciais fundamentais são: participação democrática, solidariedade, independência e autonomia. De acordo com a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o sistema é fundamentado na reunião e crescimento de pessoas. A partir daí, fica fácil compreender o significado do clima de harmonia e trabalho em conjunto que vai da recepção à operacionalização na Celetro. “Desde o princípio, buscamos a prosperidade conjunta e não a individual”, define o presidente José Benemidio Almeida.

E, se em tese são estas diferenças que fazem do cooperativismo uma alternativa socioeconômica capaz de promover o sucesso com equilíbrio e justiça entre os participantes, a Celetro não só aprendeu a lição, como também soube disseminá-la entre os responsáveis pela sua razão de ser: os associados. De acordo com o gerente de marketing da cooperativa, Edson Moraes, a energia é importante para manter a vida e, fundamental na formação e transformação da qualidade da mesma. “Tudo começa com a energia. São novas oportunidades que dela surgem e fazem com que o produtor associado transforme sua vida e a de sua família. O associado é a nossa prioridade. É por ele que estamos inseridos num contexto de renovação e atualização constantes”, completa Moraes.

ENERGIA E SINERGIA – Também é pensando no associado que a Celetro vai onde ele está. A cooperativa extrapola os limites da implantação e orientação técnica de atendimento e vai além. “Da mesma forma que os profissionais qualificados de treinamento, percorrem com motivação as estradas da região, a administração motiva os associados acerca da inserção social”, revela o gerente de marketing, também conhecido como Macarrão. Ele conta que festividades locais, feiras e exposições, entre outras ações que compõem o calendário oficial de eventos municipais, fazem parte das prioridades da Celetro sempre que estas representam oportunidade para o associado. “Isto é sinergia e esta, entre outras estratégias, denota a visão de futuro da cooperativa”, resume ele.



DIRETO DO TÚNEL DO TEMPO

Saiba quem, gestão após gestão, fez do associado dono de seu próprio negócio:


Getuliopagina03celetro.jpg

Getúlio Amauri Bisognin - De 1969 à 1971


Luizpagina03celetro.jpg

Luiz Pachaly - De 1971 à 1978


Edipagina03celetro.jpg

Edi Jose Mourales - De 1978 à 1986


Naldopagina03celetro.jpg

Naldo Prates Corrêa - De 1986 à 1998


Walburgopagina03celetro.jpg

Walburgo Victor Bratz - De 1998 à 2004



Da Celetro, o desenvolvimento

Com a palavra, o quadro funcional


Números são raio-X do crescimento

Luiz Francisco Rossato, gerente contábil da cooperativa, também vivenciou a história da cooperativa praticamente desde seus primeiros passos rumo ao sucesso. Natural de Nova Palma, onde ficava a primeira PCH da cooperativa, ele relembra momentos marcantes do crescimento da entidade. “Desde a aquisição desta usina eu vivenciei as conquistas da Celetro porque o meu pai trabalhava lá como funcionário”, relata ele. Seguindo o exemplo, em 1979 Rossato ingressou como colaborador em Nova Palma e passou também a escrever as linhas dessa história de sucesso. Em 1980, foi aprovado em Ciências Contábeis no vestibular de Cachoeira do Sul, quando passou a atuar no setor no município sede e no atual setor. O responsável pela área contábil conta que evoluiu internamente e que o seu crescimento dentro da empresa não é uma história única. Vários outros casos, segundo ele, tiveram a oportunidade. Para ele, a melhor parte em presenciar mais um aniversário da Celetro, é o espelho da mesma no próprio setor. “Todas as alegrias e fraquezas da cooperativa caíram, ao longo desses anos, na contabilidade. E, hoje, felizmente os número são um verdadeiro raio-X do nosso crescimento”, analisa emocionado.


Rossatopagina04celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann



Equilíbrio sempre

O gerente financeiro, Jair Scarparo, comprova o crescimento através dos números. Assim como Rossato, ele também avalia a área como o verdadeiro espelho da situação. De acordo com o profissional, que está na Celetro há mais de 23 anos, o equilíbrio nas contas é uma busca constante. “Nem sempre estivemos em condições totalmente positivas, mas o nosso diferencial foi a constância no melhoramento e no aperfeiçoamento”, diz ele. Scarparo é outro exemplo vivo da valorização do quadro funcional. O colaborador foi alçando vôos dentro da empresa, evoluindo através de cargos diferentes e hoje, ao avaliar os 23 setembros que comemorou o aniversário da cooperativa, percebe que também celebra o seu crescimento individual. “Quando eu penso em tudo que a Celetro alcançou, eu revivo, em paralelo, o que ela me proporcionou. Eu estudei, melhorei, constitui família e isso não preço. É a melhor recompensa”, define.


Scarparopagina04celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Expansão é marca registrada

O gerente administrativo e comercial, Jairo de Freitas, também deu o seu depoimento sobre a cooperativa que, assim como a Rossato, lhe rendeu crescimento pessoal e profissional. Freitas está na Celetro desde 1982. “Entrei como auxiliar de escritório e cheguei a me graduar dentro da Celetro”, conta ele. O responsável pelo segmento administrativo e comercial é formado em administração de empresas e, quando questionado acerca de seu progresso, ele é não tem dúvidas: “Olho para trás e percebo um crescimento contínuo. A evolução está no interior da sede, no nosso crescimento intelectual e, o mais importante, na vida e produtividade do associado”. Somada a emoção desse diagnóstico, vem a expansão. Freitas revela que o dinamismo da empresa lhe garantiu visão de futuro. “Nesses 39 anos, em nenhum aspecto, a empresa parou no tempo”, analisa ele.


Freitaspagina04celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Energia segura o tempo todo

De acordo com o gerente operacional, Gilson Della Valentina, qualidade é palavra de ordem em todo o processo de eletrificação. Graduado em Engenharia Elétrica e Eletrônica, Della Valentina está na Celetro desde 1998. Ele ressalta a criatividade, o dinamismo e a eficácia nos resultados dentro da entidade. De acordo com o profissional, o trabalho é cobrado e a modernidade em torno da tecnologia uma exigência. “Nosso papel é transformar a necessidade do associado em grandezas elétricas”, resume ele. Como participante do processo, ele avalia que a seqüência ideológica a partir do cooperativismo é a mesma, mas que ao longo de seus 39 anos, o avanço tecnológico foi avançando em todos os sentidos devido à gestão aberta impulsionada pelo atual presidente. “Não basta que a energia chegue na casa do associado. Ela tem que chegar com qualidade”, condiciona o gerente. Ele também ressalta a segurança: “Além de prezarmos o tempo todo pela realização e ampliação do sonho do associado, é diretriz que não o deixemos à mercê da sorte. Somos co-responsáveis pelo seu sucesso e por isso a Celetro opera seguindo todas as normas acerca da segurança no trabalho”. Os dados disponibilizados pela gerência operacional dão conta de que enquanto os leigos definiam o serviço de eletrificação rural como impossível, a Celetro trabalhou para provar o contrário. E, hoje, não é somente a necessidade que é saciada. Conforme Della Valentina, o produtor quer ter acesso à tecnologia que merece. “E no que depender da Celetro, ele vai ter”, complementa ele.


Dellapagina04celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Comunicação é a alma do negócio


Não é à toa que a Celetro enfatiza também o slogan “Planeje seu Crescimento”. O gerente de marketing, Edson Moraes, conta que a Cooperativa sempre esteve à frente de seu tempo. Há mais de 20 anos na instituição, ele atribui muito desse espírito empreendedor ao presidente José Benemidio Almeida. Para ele, o acompanhamento e, muitas vezes, a implantação de tendências que na região mal estavam começando é uma característica marcante e um significativo diferencial. Moraes revela que, além de todo o constante envolvimento e apoio em eventos que foquem o associado e projetos sociais característicos, a empresa valoriza a comunicação em seus dois principais universos: interna e externamente. “A mensagem que transmitimos nos materiais de divulgação retratam a essência da gestão”, simplifica Moraes. A Celetro mantém um programa de reuniões sistemáticas mensais, preza pelo relacionamento harmônico com o associado, parceiros e demais públicos de interesse, como a imprensa. Um de seus mais eficientes canais de comunicação é Jornal O Produtor. De acordo com o responsável pelo setor de marketing, são cerca de 20 mil exemplares distribuídos bimensalmente. O veículo é socialmente produzido pela esposa do presidente, a senhora Amália Almeida. “Mais uma prova de que comunicamos com a família e para a família”, complementa.


Macarrãopagina05celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Tudo dentro da lei


Outra importante gerência na Celetro é a jurídica. Quem está à frente dela é Emerson Gehrke. O gerente ingressou na Celetro em 1996. Começou como office boy e contou com auxílio da cooperativa para completar seus estudos. “Passei por diversos setores e compreendi a essência e a amplitude do negócio até que ganhei o crédito e a confiança para me estabelecer e aplicar o que construí intelectualmente com o apoio da Celetro”, revelou o jovem. Gehrke define a Celetro com a palavra oportunidade. “Meu futuro ganhou um rumo diferente através da cooperativa”, diz ele. Hoje, o gerente supervisiona toda a questão legal acerca da cooperativa. “Mesmo que em determinados assunto contemos com uma assessoria, nada sai daqui sem o meu acompanhamento e a vantagem é o conhecimento do ambiente, da missão e da visão do negócio”, ressalta ele.


Emersonpagina05celetro.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


A CELETRO TAMBÉM TEM LOJA


A Celetro não pára nunca de pensar no associado. Procurando oferecer qualidade em todos os processos de trabalho, a cooperativa também galgou uma loja de materiais elétricos para que o homem do campo encontre no endereço certo os melhores equipamentos. Confira alguns:


  • Material para confecção de quadros de comando
  • Fios para cabos elétricos
  • Ventiladores
  • Luminárias
  • Máquinas para cortar grama
  • Ferramentas manuais Bosch
  • Compressores
  • Eletrificadores de cerca
  • Tubos e confecções eletrodutos
  • Chaves e tomadas
  • Bombas para poço
  • Ferragens


Lojapagina05celetro.jpg


Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann



Do braço forte, a mão amiga

Presidente da Celetro é Pacificador


“Se a Pátria querida for envolvida pelo inimigo, na paz ou na guerra, defende a terra”, diz a letra de Fibra de Herói, uma das canções do Exército Brasileiro. Mesmo sendo um cidadão civil, o atual presidente da Celetro, José Benemidio Almeida, vem lutando pelo seu pago*. Prova disso foi a homenagem que o 3º Batalhão de Engenharia de Combate (BECmb) e o 13º Grupo de Artilharia de Campanha (GAC), as duas unidades militares de Cachoeira do Sul, reservaram para o agropecuarista que administra uma das maiores cooperativas de energia elétrica do Brasil. No dia 25 de agosto* último, Almeida foi agraciado com a Medalha do Pacificador. Quem entregou a honraria foi o General de Divisão da Reserva, Geraldo Silveira Soares da Silva. Para ele, a medlaha simbolizou a parceria entre a Guarnição Federal e a pessoa de Almeida. De acordo com o General, é à Celetro que o Exército cachoeirense recorre quando surge qualquer problema envolvendo eletricidade nos quartéis e, a quem pode confiar seu braço forte para toda e qualquer parceria que foque a sociedade.

CELETRO EXPLICA:

Pago: Igual à querência, lar, lugar de origem. 25 de agosto: Dia em que a nação brasileira celebra o Dia do Soldado e homenageia a figura de Luiz Alves de Lima e Silva, o patrono DO Exército, Duque de Caxias


Em Santa Maria, o Subtenente Milton Rodrigues, também da Reserva, explicou a importância da honraria que Almeida recebeu. Segundo o militar, a Medalha do Pacificador foi mandada cunhar pela Portaria nº 345, de 25 de agosto de 1953, como evocação às homenagens prestadas ao Duque de Caxias. Em 1954, o Governo da República autorizou o uso dessa condecoração nos uniformes militares e, já no ano seguinte, transformou-se em honraria a ser conferida a militares e civis, brasileiros ou estrangeiros. “O critério para indicação é rigoroso. A hornaria deve ser valorizada e comemorada. Muito fez e muito merece o presidente da Celetro”, avaliou o promotor João Ricardo Tavares, que recebeu a honraria no ano passado.


Medalhapagina06celetromaoamiga.jpg

Na foto, Almeida junto dos Comandantes Ricardo José Alves (Esq.) e Selmo Umberto Pereira (Dir.)

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


SOLENIDADE - Os Comandantes Ricardo José Alves e Selmo Umberto Pereira também manifestaram a admiração por Almeida. “Contar com o apoio do presidente da Celetro é um honra”, disse Alves. “Percebemos a emoção no rosto dele e isso já siginifa que o dever foi cumprido”, completa Pereira. A cerimônia para entrega da distinção ao presidente da Celetro ocorreu em meio à formatura conjunta dos militares do 13º GAC e 3º BECmb. Na oportunidade, também foram reconhecidos os melhores homens das unidades e, os militares destaques incorporados neste ano. Em seguida, os colaboradores da Celetro foram reunidos em almoço festivo nas dependências da cooperativa.


Equipemaoamigapagina06celetro.jpg

Familiares e fucnionários também prestigiaram a solenidade.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Da Responsabilidade Social, a confiança

Quem conhece, sabe. Quem faz parte, cuida.


De acordo com os especialistas em administração, as transformações sócio-econômicas dos últimos anos têm afetado profundamente o comportamento de empresas até então acostumadas à pura e exclusiva maximização do lucro. Segundo os teóricos, se por um lado o setor privado tem cada vez mais lugar de destaque na criação de riqueza; por outro, é bem sabido que com grande poder, vem grande responsabilidade. Para a Celetro, que já na sua composição e essência de cooperativa o lucro não é razão, mas conseqüência do bem estar do associado, a responsabilidade é prioridade e uma questão de confiança.

RELACIONAMENTO COM AS COMUNIDADES – Firmar compromissos éticos e sustentar relações duradouras e de confiança também é objetivo da Celetro. O gerente de marketing da cooperativa, Edson Moraes, revela que a partir deste intuito a responsabilidade social é um compromisso. De acordo com Moraes, a solidariedade, a promoção da educação e a consciência ecológica são os pilares que sustentam esta questão. Prova disto são as ações desenvolvidas pela cooperativa.


Escrevendo o futuro

Com lápis preto, colorido, no caderno...

Se depender da Celetro, não vai faltar material escolar. “Força para a Educação” é um dos principais projetos sociais da cooperativa. Sabendo que a energia é uma fonte de crescimento, a instituição arregaça as mangas e vem trabalhando também pelo desenvolvimento intelectual nas suas áreas de abrangência. A proposta tem caráter solidário e o objetivo de auxiliar nas condições de estudo das crianças que, por dificuldades financeiras, apresentam déficit no aprendizado. Dados da cooperativa dão conta de que são distribuídos mais de 18 mil kits anuais para os filhos dos associados. “Quando são entregues as pastas com o material escolar, fica fácil verificar que o brilho nos olhos significa motivação e, se isso ajudar a criança a melhorar o rendimento, com certeza estamos fazendo um pouco por elas”, analisa Moraes. O Fundo de Assistência Técnica Educacional e Social (FATES) é o programa que possibilita ações como esta. O fundo é definido pela cooperativa como um recurso retornável.



Fotokitspagina08celetro.jpg

Dar e receber: Para Almeida, o presidente da Celetro, quem ajuda também ganha. “Nesse vasto leque de problemas que a região e o País enfrenta, realizar pelo social faz bem”, diz ele.

Créditos: Marketing Celetro


Fazendo arte: Incentivando a cultura...

A Celetro também valoriza as manifestações artísticas. A sede da cooperativa está repleta de quadros pintados por artistas da região. A organização lança um tema e a comunidade participa esbanjando talento.


Gerando renda: Com capacitação, orientação...

A promoção da educação na Celetro não é só para os pequenos. Os grandinhos também têm vez. Parcerias com entidades como a Emater tornam a geração de novas alternativas de renda um sonho possível. Periodicamente, a cooperativa realiza cursos de capacitação, profissionalizantes e de atualização e aperfeiçoamento. Os temas são diversos e o público-alvo diversificado. “Determinadas ações beneficiam o associado, outras o filho do associado e também a esposa do associado”, ilustra Moraes. O objetivo, conforme a Celetro, é promover o desenvolvimento familiar. Enquanto o associado aprende ou aprimora técnicas e tecnologias que possam desencadear maior produtividade e lucratividade, a sua esposa pode estar aprendendo técnicas de artesanato e culinária, entre outras alternativas, para complementar a renda e a qualidade de vida da família.


Fotocursopaginaoitoceletro.jpg

Família capacitada: Também é objetivo da Celetro promover o crescimento da família do associado.

Créditos: Marketing Celetro