SEARCH
TOOLBOX
modified on 23 de novembro de 2010 at 17h22min ••• 4 868 views

Cachoeira do Sul - Especial Fatos & feitos 15ª Fenarroz

De Wiki.dois

Capacachoeiradosul15fenarrozpronta.JPG

Cachoeira do Sul - Especial Fatos e Feitos 15º fenarroz

  • Data de Publicação: 13 de junho de 2008



Tabela de conteúdo

Sucesso marca 15ª edição da Feira Nacional do Arroz

  • Tecnologias em produto e serviço foram lançadas na feira
  • Empresários fecham bons negócios e avaliam positivamente o evento
  • Poder público comemora a projeção mundial de Cachoeira e região


Cachoeira para o mundo

Município vive nove dias como o centro das atenções do universo orizícola


Foi grande a movimentação de produtores, empresários e público em geral no município de Cachoeira do Sul. Os holofotes estiveram acesos para a Capital Nacional do Arroz entre os dias 24 e 01 de junho. Nesse período, aconteceu a 15ª edição da Feira Nacional do Arroz (Fenarroz). O evento, que aconteceu no tradicional parque de exposições Ivan Tavares, encerrou com sucesso e não poderia ser diferente.

Durante nove dias o município foi novamente o principal pólo de debates acerca da cadeia produtiva orizícola em âmbito internacional. Ao longo da Fenarroz, foram discutidas as políticas de comercialização e apresentados os últimos lançamentos das grandes indústrias mundiais de máquinas e equipamentos. Também foram protagonistas da feira, as mais modernas técnicas de beneficiamento, seleção e empacotamento do cereal.

O destaque da edição, segundo o presidente da 15ª Fenarroz, o empresário Érico Razzera, ficou a cargo da abrangência e dos negócios fechados na feira. Ele conta que a abrangência da Fenarroz pode ser verificada pelo crescente número de expositores nacionais e internacionais. “Na edição de 2008, foram confirmados cerca de 45 participantes de países das Américas, Europa e Ásia, incluindo, pela primeira vez, o Japão”, salienta Razzera.

O presidente explica que foram aproximadamente 370 expositores brasileiros e que esses, assim como os internacionais, fizeram do evento, uma verdadeira vitrine. “As grandes indústrias do setor e as empresas fabricantes de novas tecnologias utilizaram a Fenarroz como uma vitrine e, em cada espaço, o que se via, era beleza e qualidade”, conta ele.

Razzera ainda revela que nem o mau tempo nos primeiros dias prejudicou o objetivo do evento. “Os negócios foram acontecendo de forma que superaram as expectativas. O quinto dia de evento (28.05) foi o grande dia dos negócios, por exemplo. A chuva não impediu”, relata o presidente. Segundo Razzera, o volume de negócios foi de 50% a mais do que na 14ª edição do evento.


Foto presidente e soberanas.jpg

O presidente da 15ª Fenarroz, acompanhado das soberanas da feira, avaliou positivamente o evento.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Foto comunidade.jpg

A comunidade cachoeirense e os turistas aproveitaram os dias de sol para conferirem as novidades da feira.


CACHOEIRA

A exemplo das edições passadas, a comissão executiva da Fenarroz preparou uma completa infra-estrutura para o parque sede da feira. Além de máquinas de última linha dos complexos de beneficiamento do arroz e seus derivados, o visitante encontrou possibilidades diversas em serviços e lazer. A cidade, que mostrou tudo aquilo que envolve a cultura do arroz, desde o plantio até a comercialização para o consumidor final, está localizada estrategicamente no centro do Estado. Cachoeira do Sul fica entre a BR 290 e RS 287 e, faz parte da micro-região do Vale do Jacuí, distante 196Km de Porto Alegre. O município foi criado em 26 de abril de 1819 pelo Alvará Imperial de D. João VI e instalado em 05 de outubro 1820.


Arrozpagina2especialfenarroz15pronta.jpg

Créditos: Divulgação


PAÍS COLHE MAIS ARROZ DIANTE DO MUNDO EM CRISE

Em plena crise mundial de alimentos, o Brasil conclui a colheita de arroz 2007/2008 com um aumento produtivo de 5,7%. Ao final da safra, estarão colhidos 11,995 milhões de toneladas de arroz, 640 mil toneladas a mais do que no ano passado. Apesar da redução de 1,3% na área, que fechou em 2,928 milhões de hectares, as lavouras brasileiras estão produzindo 7,1% mais, em média.

Fonte: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)

Educação & Mercado

Instituição de ensino aposta na Fenarroz e aproveita o espaço para servir a comunidade


A Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) de Cachoeira do Sul contou com dois espaços próprios na 15ª edição da Fenarroz. A instituição ofereceu, ao longo do evento, atendimentos gratuitos, apresentou seus cursos na prática e, ainda inscreveu candidatos para o vestibular de inverno 2008. No piso térreo do pavilhão de exposições, a universidade ocupou dois módulos. Nesse espaço, o público pôde conhecer a estrutura do campus de Cachoeira do Sul, recebeu orientações sobre os 13 cursos oferecidos à região e teve a oportunidade de efetuar a sua inscrição para o próximo processo seletivo. Ocupando uma área nobre junto às maiores indústrias de beneficiamento do arroz nas Américas, a universidade conseguiu uma maior proximidade junto à comunidade.

Para o diretor da instituição, Gerceí Silveira, foi esse o maior ganho da instituição. “A Ulbra Cachoeira tem primado pela ênfase ao nome do município e, a Fenarroz, sem dúvida, foi uma oportunidade para obtermos o melhor dos resultados, que é a proximidade com a sociedade para a qual nosso corpo discente deve uma resposta”, apontou Silveira. O diretor relatou que, na feira, a Ulbra se fez presente com duas linhas, a Ulbra serviços e a Ulbra Radical. O objetivo da iniciativa foi atender a todos os tipos de públicos. Enquanto parte da comunidade visitante buscou o espaço da universidade para conferir sua pressão arterial, obter orientação em saúde bucal e psicológica, entre outras possibilidades, muitos dos jovens visitantes buscaram o Ulbra radical. Neste espaço, a instituição possibilitou um verdadeiro rapel com toda infra-estrutura e segurança para os amantes do esporte de aventuras. “É apenas uma prévia, um convite para o Aldeia Ulbra”, enfatiza o diretor da universidade.


Foto ulbra.jpg

O diretor Gerceí Silveira (foto) contou que os pequenos também puderam aproveitar o espaço da instituição na Fenarroz. O curso de Sistemas de Informação montou uma mini - lan house no estande externo e crianças e adolescentes desfrutaram dos jogos disponibilizados nos computadores do estande.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann.


MAIS


  • O vestibular de inverno da Ulbra acontece no dia 28 de junho. Os cursos ofertados são Administração, Biologia, Biomedicina, Direito, Educação Física, Fisioterapia, Letras, Matemática, Odontologia, Pedagogia, Psicologia, Serviço Social e Sistemas de Informação. Para obter detalhes sobre o processo seletivo, basta acessar o site www.ulbra.br ou ligar para o telefone (51) 3723 4000.
  • De 7 a 16 de novembro acontece o Aldeia Ulbra 2008. O evento, conhecido na região como um point radical, trará atrações como motocross, arborismo, rapel, veloterra, canoagem, rodeio gaúcho, jeep cross, corrida de aventura, escalada e bungee jump. Mais informações pelo e-mail aldeia@ulbra.br.


EXPORTAÇÃO

A expectativa era de que o Brasil exportasse 400 mil toneladas de arroz em 2008, mas já se fala em 600 mil a um milhão de toneladas. É possível que, pela primeira vez, em décadas, o país exporte volume igual ou maior do que importará do Mercosul, inicialmente previsto em 900 mil toneladas. Com preços muito atraentes no mercado internacional, Uruguai e Argentina estão direcionando grandes volumes de arroz para terceiros países. O excesso de arroz no Brasil não é negócio para o Mercosul, pois pressiona negativamente os preços na região. Para os exportadores, é melhor mandar o arroz para outros continentes.

(Fonte: Planeta Arroz)


Educando para toda a vida

O Colégio Marista Roque é outro exemplo de sucesso que marca a história de Cachoeira do Sul. O Colégio integra a rede das Escolas Maristas da Província Marista do Rio Grande do Sul, que tem 20 escolas no Estado e uma em Brasília, além de uma universidade – PUC/RS, um hospital e 30 obras sociais atendendo a população gaúcha.

De acordo com David Hatsek, assessor de comunicação do Colégio Roque, em janeiro de 1929 chegaram a Cachoeira os primeiros Irmãos Maristas. De lá para cá, todos os diretores que passaram pela instituição da Princesa do Jacuí, assim como seus funcionários, comprometeram-se com a missão de educar e evangelizar crianças, jovens e adultos, através de processos criativos e inovadores. Esse processo se dá, há todos esses anos, segundo o carisma marista e, vem formando cristãos e cidadãos comprometidos com o respeito, com a ética e com a solidariedade.

Segundo Hatsek, a metodologia Marista tem sua fundamentação no estudo e reflexão dos diversos teóricos da educação. “Ela foi construída com os aspectos de cada teoria que acreditamos serem fundamentais para o desenvolvimento cognitivo e afetivo do aluno e, que tenham identidade com os princípios filosóficos Maristas”, ressalta ele.



Foto escola.jpg

É através do exercício da reflexão, da convivência e do trabalho em equipe que são aprimorados valores como respeito, ética, solidariedade.

Créditos: Arquivo Colégio Roque


PRINCIPAIS PROJETOS:


Foto teatro.JPG


  • Projeto Arte: Os alunos vivenciam e valorizam as manifestações artísticas nas diferentes linguagens, contextualizando a arte a partir de elementos histórico-sócio-culturais.
  • Projeto Descobrindo a Robótica, através do Robokit: Um recurso tecnológico criado com a finalidade educativa para incentivar e introduzir a programação na Educação Básica. Também desenvolve o raciocínio lógico matemático, análise e síntese, criatividade e o trabalho em equipe.
  • Projeto de teatro – Teatromania: Cinco oficinas, onde o teatro é desenvolvido em atividades extra curriculares, oportunizam o envolvimento do educando e da comunidade escolar como um todo em peças teatrais.
  • Projeto Autor-presente – durante a Feira do Livro: Os alunos participam através de um programa de leitura de obras literárias. Eles também têm a oportunidade de receber a visita do autor de seus livros, podendo questioná-lo sobre a obra.
  • Projeto Rio Jacuí: Acontece há cinco anos e, a cada edição, novas ações são realizadas. É um projeto que tem o objetivo de estudar a fauna e a flora do rio e, ainda, de diagnsticar a situação da proteção dos ambientes naturais. O projeto também contribui na conscientização da população acerca da poluição.


NOVAS TECNOLOGIAS

ASCOOP deu exemplo de união na 15ª Fenarroz


De acordo com o José Benemídio de Almeida, presidente da Associação das Cooperativas do Rio Grande do Sul (Ascoop), a cooperação foi uma das marcas da 15ª Fenarroz. “As expectativas foram todas alcançadas. Quatro cooperativas compuseram o espaço da associação e todas elas ganharam em investimento e divulgação”, salienta Almeida, também presidente da Cooperativa de Eletrificação Centro Jacuí (Celetro) e vice-presidente institucional da Fenarroz.

A Celetro, a Cooperativa Agrícola Cachoeirense (Coriscal), o Sicredi e a Unimed foram as organizações presentes no espaço da Ascoop. A presença da associação, conforme o presidente, não teve vínculo comercial, mas um cunho de homenagem a Cachoeira do Sul. “Tentamos unir as cooperativas com a finalidade de demonstrar a nossa causa de cooperação, assim como o propósito da própria associação, que faz parte da história de Cachoeira”, enfatizou Almeida.

O presidente da associação apontou que as participantes do espaço tiveram a oportunidade de focar as suas atividades perante seus públicos. “A Coriscal divulgou seu arroz, a Sicredi aproveitou a feira para fortalecer seu projeto de captação de fundos, a Unimed prestou serviços de atendimentos básicos e a Celetro, por sua vez, aproveitou para legitimar ainda mais a imagem da eletrificação”, relatou ele.


Foto ascoop.jpg

O espaço da Ascoop serviu para exemplificar os princípios do cooperativismo e para enfatizar o atendimento ao associado.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Uma alternativa para acabar com os inimigos da armazenagem


Estima-se que o Estado já tenha perdido cerca de R$1 bilhão por ineficiência. Os grandes vilões são as pragas na etapa de armazenagem e, o prejuízo é calculado em cima do que deixa de ser negociado por fatores como falha na colheita, conservação e transporte. Quem explica o assunto é Julio Espel, diretor comercial da QualyGran, distribuidor da Cycloar. O empreendedor esteve presente na 15ª Fenarroz e apresentou para a indústria, produtores e público em geral uma alternativa que pode minimizar o problema. Trata-se do Cycloar, um sistema de aeração intensificada.

Para Espel, se plantar é preciso e colher é possível, armazenar é necessário, assim como conservar é imprescindível. Ele confirma que na armazenagem, as perdas se dão por ataques de pragas, fungos e toxinas. E, justamente por isso, o diretor comercial aponta a limpeza dos armazéns como aspecto essencial para o alcance da produtividade e lucratividade almejadas. “Estamos falando de deterioração, perda de massa, quebra de qualidade e de, inevitavelmente, prejuízo financeiro. Se o local trabalhar com higiene, não haverá o problema”, salienta Espel.

O distribuidor da Cycloar revela que, dentro das unidades de armazenagens, os princípios físicos da propagação do calor também agem. “A temperatura do ar interno, em silos verticais e armazéns, eleva-se consideravelmente se comparada à temperatura externa”, conta Espel. O problema está na rápida secagem dos grãos. Grãos secos rapidamente tendem a sofrer danos fisiológicos que se transformam em trincas e rachaduras. Com isso, eles são perdidos. “Evitar a condensação na camada superior dos silos e armazéns e o mofo, assim como inibir a proliferação de pragas e insetos é uma proposta de pTexto em negritoreservação”, resume Espel.


Foto cycloar.jpg

Julio Espel explica o funcionamento da alternativa.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


UM FIM PARA AS IMPUREZAS

A Cereall Agrocomercial, empresa que trabalha com recebimento e armazenagem de grãos, dividiu o espaço com a parceira Cycloar, na 15ª Fenarroz. Jorge Zimmermann, diretor comercial, explicou que o evento serviu para focar os equipamentos para movimentação, limpeza e captação de granéis. As atenções ficaram voltadas para dois produtos de sua linha, o Sistema de Pré-limpeza Cereall e o Aspirador Pneumático Cereall.

De acordo com Zimmermann, o primeiro é usado para separar impurezas e grãos pequenos nos diversos tipos de cereais, como o arroz. O segundo produto, o aspirador, foi desenvolvido a fim de atender os serviços de transporte e limpeza por aspiração, onde o trabalho manual torna-se difícil e, ainda, pode ocasionar riscos à saúde. Zimmermann ressalta que o objetivo é a classificação e o melhoramento das unidades de armazenagens.


Foto cereall.jpg

O diretor comercial da Cereall aponta o Sistema de Pré-limpeza como um dos grandes focos na Fenarroz.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Inovação & Entretenimento

Equipamentos de precisão revelam o caminho do sucesso


Atualmente, o empreendedor rural também está preocupado em ganhar terreno com a tecnologia. Por esse motivo, o estande da All Comp Equipamentos de Precisão recebeu um grande fluxo de visitantes na 15ª Fenarroz. A empresa, que recebeu em 1995 um prêmio por ter participado de todas as edições da feira, está no mercado há mais de 25 anos. Segundo o diretor Edmilson Azevedo, a organização trabalhava inicialmente com equipamentos de raio laser para marcação de curvas de nível.

Com um caráter inovador e com o objetivo de atender as necessidades nas áreas de Engenharia, Topografia, Cartografia, GPS e Agricultura, a All Comp trouxe como destaque para a 15ª Fenarroz um GPS com valor diferenciado no mercado e com tecnologia importada. “A Fenarroz serviu como uma chamada para este lançamento. Conseguimos trazer um GPS importado do Canadá que chegava a custar R$24.000,00 por R$7.500,00 e com a mesma eficiência”, revela Azevedo.

O diretor ainda conta que, tradicionalmente, a All Comp mantém um espaço estratégico na feira. Para ele, é de tamanha importância o caráter de maior evento do segmento e, pelo fato de ter sido o orizicultor o primeiro a dar retorno para a empresa, o diretor enfatiza a cultura como sua base. “Pelo seu caráter, a feira só nos trouxe resultados positivos. Superamos as expectativas de venda e chegamos ao final programando novas vendas. Foi o arrozeiro o primeiro a nos dar retorno e, com a liberação do sinal do GPS, há cerca de cinco anos, foi a cultura do arroz que abriu caminho para que trabalhássemos com outras fontes, como a soja, o milho e o algodão”, explica o diretor.


Foto all comp.jpg

O diretor Edmilson Azevedo mostra o GPS que a empresa trouxe como destaque para a feira.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Lançamento mundial: Motobomba dupla chama atenção de público


A empresa Orlando Thoma – Motobombas Flutuantes, tradicional expositora da Fenarroz, chamou ainda mais a atenção do público com uma nova vantagem. Segundo Cléverton Oliveira Thoma, sócio-proprietário, a novidade desta edição foi a motobomba flutuante dupla. “Com o equipamento, o produtor consegue economia de energia a partir de uma maior vasão, além da possibilidade de trabalhar com os dois motores simultaneamente ou com apenas um, de forma independente”, simplifica Thoma.

O sócio da empresa explica que o produtor tem a oportunidade de, na prática, encher a lavoura e, depois desligar um dos motores, mantendo o funcionamento com apenas 50% de energia. O equipamento pode ser utilizado em diversas culturas, mas o arroz é a principal. “Seria e irrigação por inundação”, resume Thoma.

Ele conta que o lançamento foi elaborado pela empresa e executado pela fabricante, que fica em Santa Catarina. De acordo com as informações disponibilizadas pela Orlando Thoma – Motobombas Flutuantes, as pesquisas apontam que a tecnologia é a única no mundo. “Ela foi elaborada em cima da necessidade do cliente em obter uma maior vasão com uma potência reduzida”, revela Thoma.


Foto motobomba.jpg

Lançamento mundial foi a grande atração no espaço da Orlando Thoma – Motobombas Flutuantes.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


DIVERSÃO PARA OS PEQUENOS

Brinquedos grandes e coloridos fizeram a festa da garotada na 15ª Fenarroz. O responsável pelo sucesso junto aos pequenos e até junto aos mais grandinhos foi o Park Stallone. De acordo com o diretor comercial José Carlos Oliveira, a empresa existe há 20 anos. O Stallone percorre as estradas do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Na 15ª edição da Fenarroz, o parque encantou os visitantes com os brinquedos Big Tower, Auto-choque, Mini-montanha, Tele-combate, Roda Estrela, Twister, Barco Vick e Carrossel, entre outras alternativas de diversão e aventura.

Os proprietários do parque são naturais de Vitorino, no Paraná. Eles têm levado a diversão até outras feiras tradicionais, mas definem a experiência da Fenarroz como uma entre as mais gratificantes. “Já participamos da feira nos anos de 2002 e 2004 e, agora na de 2008. É muito satisfatório, pois é um evento tradicional e bem organizado, que sempre proporciona retorno aos seus expositores”, resume Oliveira.

Para os adeptos de sites de relacionamento, o Park Stallone está no Orkut. Basta pesquisar por Park de Diversões Stallone e lá o internauta poderá conferir algumas fotos e descrição do empreendimento, que literalmente tem na alegria a sua razão de ser. Mais informações pelo e-mail parkstallone@ig.com.br.


Foto park.jpg

Na 15ª edição da Fenarroz, o parque encantou os visitantes com os brinquedos diversos.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Tradição & Reconhecimento

Empresa do ramo agrícola confirma sua tradição como expositora


A Líder Tratores, Concessionária New Holland, já tem história na Fenarroz. Carlos Henrique Beckel, sócio-administrativo, conta que a participação é tradicional. “Desde que eu ingressei na empresa, me recordo de, a cada edição do evento, prepararmos uma estratégia de exposição”. A empresa é expositora desde a quarta edição da feira e tornou-se tradicional a expectativa do produtor para conferir as novidades e lançamentos que ela reserva para o evento.

Para a 15ª Fenarroz, a Líder trouxe a sua nova colheitadeira. Trata-se da TC 5090, versão com maior capacidade de colheita. Segundo Beckel, ela é mais moderna e eficiente. “A TC 5090 chega com inovações na plataforma, no sistema industrial, no motor, cabine e tanque graneleiro de maior capacidade. Essas características fazem dela a colheitadeira líder da categoria”, resume o sócio-administrativo.

Conforme as informações disponibilizadas por Beckel, a Líder Tratores começou em 1970 na área de insumos agrícolas e, a partir de 1976 passou a revender tratores Ford, lançados no Brasil. Atualmente, a comercialização de tratores e colheitadeiras New Holland é o foco da empresa, que possui um amplo estoque de peças originais e assistência técnica com mecânicos altamente qualificados. A Líder Tratores também dispõe de uma variada linha de implementos novos e usados, das mais famosas marcas. Ela conta com parceiros conceituados no mercado da comercialização de defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes e sementes e, ainda com toda a linha de produtos veterinários, oriundos dos mais renomados laboratórios.

Sua matriz fica na cidade de Cachoeira do Sul e sua filial em Lajeado. O futuro do mundo, para a Líder Tratores, está na agricultura. Portanto, dedica seu trabalho ao bem estar das famílias do campo e pela busca constante de novas tecnologias.


Foto líder tratores.jpg

Na foto, Carlos Henrique Beckel, sócio-administrativo da Líder Tratores.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


COMPRADOR FELIZ

Seu Pedro Spotti Filho veio de Butiá para conferir os lançamentos da Fenarroz. O produtor, já há 40 anos na atividade agrícola, conta que o evento superou suas expectativas. “Gostei mais daqui do que da Expointer. Tem tudo que nós precisamos e eu tive de vir dois dias para olhar com calma tudo que eu queria conhecer. E mesmo assim não deu para ver tudo”, revela.

Seu Pedro saiu da feira com uma aquisição de peso. Ele adquiriu uma plantadeira de última geração e saiu feliz com as condições de pagamento e as vantagens que terá no trabalho. “Estou saindo daqui otimista e já pensando na próxima colheita”, finaliza o produtor.


Foto seu pedro.jpg

Seu Pedro Spotti Filho saiu satisfeito da Fenarroz. Ele comprou uma plantadeira.

Créditos: Andrewes PozeczeK Koltermann


OPINIÃO:

Estamos frente a um novo cenário referente à produção de alimentos no mundo e, por conseqüência, o arroz não é exceção. Quem aponta o panorama é Teófilo Pereira dos Santos Neto, empresário do meio rural. “Temos um incremento no consumo mundial devido ao aumento da população. O crescente aumento da população mundial não está mais sendo acompanhado pelo aumento da produção, tanto na forma vertical como na forma horizontal, via aumento de área cultivada”, explica o empresário.

Essa equação, segundo Neto, há tempos não fechava e, a cada ano, os estoques de passagem iam diminuindo percentualmente em relação ao aumento populacional. “Hoje podemos afirmar que caminhamos para um cenário onde as terras cultiváveis no mundo serão limitadas e, o crescimento da produção, por área plantada, não conseguirá suportar a pressão do consumo”, alerta ele.

Contudo, o empresário e estudioso revela que, daqui para frente, teremos um quadro favorável no que tange ao aumento de preços das commodities no mercado internacional. O motivo é justamente o fato da procura ser cada vez maior em relação à oferta. “Temos uma previsão de que em menos de 20 anos seremos mais de 8 bilhões de seres humanos a habitar esse planeta e, por certo, o arroz acompanhará esse movimento”, finaliza Neto.


Arrozpaginaseisfenarroz15.jpg

Créditos: Divulgação

Informação & Atualidade

Helicóides temperados foram atração na feira


A Screw Indústria Metalmecânica também está entre os expositores tradicionais da Fenarroz. Na 15ª edição do evento, a empresa investiu esforços na divulgação de mais uma grande novidade do mercado: helicóides temperados por indução. Os helicóides representam mais uma opção para uso na colheita e movimentação do arroz, que visa acabar com o destaque prematuro das roscas em função da grande abrasividade do arroz. De acordo com o diretor-presidente João Augusto Streit, as hélices temperadas por indução são desenvolvidas a partir de matéria-prima especial e aços ligados. A têmpera é aplicada em todo o núcleo da lâmina, gerando mais resistência.

Para Streit, o evento foi positivo. “A Fenarroz sempre é uma excelente ferramenta de divulgação e, nesta edição, especialmente, os objetivos foram não só alcançados, mas superados”, revela o empresário. A Screw vem, desde a sua fundação, em 1995, aprimorando a produção e aumentando a comercialização de rosca transportadora em processo de laminação contínua de alta qualidade. Uma das marcas registradas da empresa é justamente a qualidade de seus processos e de seus produtos. A Screw é certificada com a norma internacional ISO 9001:2000 e, tornou-se referência por oferecer produtos que oportunizam o maior custo-benefício aos seus clientes.


Foto screw.jpg

João Augusto Streit aposta na tecnologia helicoidal.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


NO CENÁRIO DA ORIZICULTURA:

Arrozeiro gaúcho gastará R$ 32,06 para produzir saca de 50 quilos


O levantamento do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), divulgado na primeira semana do mês de junho, informa uma alta de 22% nos itens necessários para produzir 50 quilos de arroz. O custo chegou a R$ 32,06, enquanto que em novembro de 2007 era de R$ 26,28. De acordo com o Irga, o levantamento comprova que o aumento na cotação foi absorvido pela forte alta no custo de produção.

Entre os itens que tiveram os maiores aumentos estão os fertilizantes (+103%), combustíveis (+12,7%) e a mão-de-obra (+ 12,6%). A terra cultivada é o item com maior representação, em torno de 11,6 % do total. Em seguida, está a secagem, com 11,2%, e adubo de base e cobertura, com 10,1%. Na pesquisa são analisados dados como, por exemplo, preparo do solo, aplainamento, drenagem, semente, transportes internos, secagem, estradas e instalações elétricas.

Em relação ao custo por hectare cultivado o aumento é ainda maior. Em novembro de 2007, o custo total por hectare era de R$ 3,4 mil. Em maio, este valor elevou-se 27,3%, o que equivale a um custo de R$ 4,4 mil. Se comparado com outras lavouras, como milho e soja, o custo por área da cultura do arroz chega a representar 113,7% e 208,7% a mais, respectivamente. O Rio Grande do Sul é o maior produtor de arroz do Brasil e a safra gaúcha representa 60% do total nacional.


Arroz1.jpg

O Rio Grande do Sul é o maior produtor de arroz do Brasil.

Créditos: Divulgação


Arroz Tropical

Vem aí um novo estágio de arroz de sequeiro, melhorado com as tecnologias que desenvolveram o arroz de terras altas. O novo salto será o arroz tropical. Pouco exigente aos insumos e tolerante aos solos ácidos, surgem variedades mais resistentes e produtivas que não necessitam de irrigação, apenas a água das chuvas, tornando-se mais adaptável às condições climáticas do Centro-oeste. Se já era bom para os produtores de terras altas, este arroz melhorado que está saindo dos centros tecnológicos com novas indicações de manejo em áreas velhas, sistemas de rotação e renovação de pastagens, tem produtividade média superior a quatro mil quilos por hectare. E com os preços atuais torna-se uma opção rentável.

(Fonte: Planeta Arroz)


Foto arroz.jpg

Créditos: Divulgação


Integração & Comprometimento

Integração entre parceiros marca estande da Emater/RS-Ascar na Fenarroz


A integração com representantes de instituições e serviços do setor agropecuário foi a tônica do estande da Emater/RS-Ascar na 15ª Fenarroz. Foram convidados para a parceria a Associação de Mulheres Rurais, o Sindicato dos Trabalhadores (STR), o Serviço de Classificação e Certificação, a agroindústria Sukello´s, a Associação de Fruticultores (Afruca), a Cooperativa Mista de Cachoeira do Sul Ltda (Coomic), a Associação Cachoeirense de Apicultores (Acapi), a Agrotech Biodiesel, a Piscicultura Schneider, a Agroner Irrigação e a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) de Cachoeira do Sul. “São representantes de um trabalho que busca, acima de tudo, a colaboração para desenvolver os projetos rurais“, diz o chefe da Emater/RS-Ascar de Cachoeira do Sul, Eliseu Gonçalves.

As outras atrações do estande ficaram a cargo de uma demonstração de controle biológico da lagarta na lavoura de milho, do cadastramento no serviço de rastreabilidade e certificação animal, da exposição de produtos de artesanato em lã e de roteiros de turismo rural. Além disso, a utilização do pastoreio rotativo na pecuária familiar, o uso das plantas bioativas e o Túnel dos Sentidos, usado para divulgar a importância da preservação ambiental, foram os pontos altos do espaço.


Foto emater.jpg

Várias entidades foram parceiras no espaço da Emater na 15ª Fenarroz.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Meio Ambiente

Construído em parceria com a Ulbra, o Túnel dos Sentidos ocupou dentro do estande da Emater uma área de 36 metros quadrados e foi projetado para facilitar a visualização de um ambiente de floresta ideal, sem a interferência prejudicial da ação do homem. “Alunas dos cursos de Biologia e Psicologia da Ulbra orientaram o público numa visita ambientalmente correta, mostrando que iniciativas humanas, como o ateamento de fogo e o descarte de lixo na natureza, causam destruição”, explica extensionista, Maria Beatriz Penna. No início e no final do passeio, alunas da Psicologia aplicaram testes sensoriais para medir o impacto das informações dadas dentro do túnel.

As plantas bioativas mais cultivadas no Rio Grande do Sul foram mostradas num pequeno horto medicinal instalado na frente do estande. “Foram 10 plantas: babosa, camomila, carqueja, capim-cidró, espinheira santa, guaco, hortelã, malva, marcela e tansagem. Todas de uso popular interno e externo e que mostram como o resgate destes conhecimentos é essencial para a prevenção de doenças”, diz a extensionista Isabel Vargas Vivian. O cultivo dessas plantas garante a qualidade e evita o extrativismo, preservando a biodiversidade.


Foto babosa.jpg

A babosa está entre as plantas mais cultivadas no RS.

Créditos: Divulgação


DECRETO CONTRA REAJUSTE


Um anúncio de reajuste da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan) nas tarifas de serviço em 8,25%, a partir de 1º julho, deixou a comunidade cachoeirense preocupada. Mas uma notícia acalmou os ânimos da população. A Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul tornou público, no dia 4 de junho, um decreto que proíbe e declara ilegal qualquer aumento, reajuste ou reenquadramento de tarifas de água ou esgoto no município.

O decreto, de número 245/2008 tem o mesmo embasamento de decreto já publicado em maio do ano passado (nº 431/2007), quando a Corsan propôs um aumento de 4,36%. No caso do último decreto, a Corsan entrou com uma ação anulatória e conseguiu uma liminar autorizando o aumento dos valores em Cachoeira do Sul. Conforme as informações disponibilizadas pela Prefeitura, o reajuste é ilegal porque a companhia não possui contrato de concessão com o município.

Foto água.jpg

Música, Lançamento & Sucesso:

Os shows da Fenarroz também foram protagonistas na última edição


Na 15ª Fenarroz, onde os negócios figuraram como a principal marca, também a programação cultural, voltada para todos os públicos, foi um espetáculo à parte. Os destaques ficaram por conta das apresentações de NX Zero, Tchê Garotos, Só Gurias, Pagode Na Moral e os talentos Prata da Casa. A MPB de Luciana Mariano, Nicolau Guimarães e Jean Souza, além de Fernando Keiber e Banda também compuseram a programação musical da feira.

Apesar do evento assumir, a cada edição, um caráter mais especializado e com o foco nos negócios, o entretenimento não deixou a desejar. Muito pelo contrário. Desde que a comissão executiva passou a divulgar o perfil da feira, a pergunta que a comunidade e a imprensa sempre fazia ao presidente e demais representantes, era quais seriam os shows. O grupo NX Zero foi uma das bandas mais aguardadas. Uma multidão de milhares de jovens, muitos acompanhados dos pais, cantaram emocionados as melodias do maior sucesso do emocore nacional.

Ao som de todos os hits do grupo, o público dançou do início ao fim show. A banda é composta por Diego Ferrero (vocal), Leandro Rocha (guitarra), Daniel Weksler (bateria), Conrado Leal Grandino (baixo) e Filipe Duarte Pereira Ricardo (guitarra).


Foto nx zero.jpg

A banda emocionou a gurizada.

Créditos: Divulgação Fenarroz 2008



SELO DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL É LANÇADO NA FEIRA

Os arrozeiros que produzem de maneira sustentável podem garantir, a partir desta safra, o Selo de Responsabilidade Socioambiental para sua lavoura. O anúncio aconteceu no dia 27 de maio, durante a 15ª Fenarroz. Ele contempla os produtores que utilizam práticas ambientais adequadas no manejo da lavoura e da propriedade rural. A ação do Governo do Estado, através do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Federarroz e Farsul, tem o objetivo de gerar o mínimo de resíduos e obter o máximo de produção. Os agricultores gaúchos podem solicitar o selo, desde que estejam cumprindo com a legislação trabalhista e ambiental. Outro critério é a adoção do Projeto Tecnologias mais Limpas, além de inscrição no Irga. Somente o Governo do Estado, através do Instituto, pode conceder o selo, que deve ser renovado anualmente.

As inscrições para o selo deverão ser efetuadas nos Núcleos de Assistência Técnica e Extensão Rural do Irga (NATE) até o dia 30 de setembro. Após o encerramento das inscrições, o Técnico Responsável pelo NATE deverá convocar a Comissão de Avaliação para informar o número de candidatos habilitados, bem como dar conhecimento dos critérios de avaliação. A entrega do selo será realizada durante solenidade específica nas edições da Abertura Oficial da Colheita do Arroz, no mês de março de 2009. As secretarias de Agricultura, Pecuária, Pesca e Agronegócio, de Meio Ambiente e de Irrigação e Usos Múltiplos da Água participam da ação.


Foto iga.jpg

As inscrições para o selo deverão ser efetuadas nos Núcleos de Assistência Técnica e Extensão Rural do Irga (NATE).

Créditos: Guilherme Zanini - Imprensa Irga


FENARROZ CONFIRMA O POSTO DE MAIOR CENTRO DE NEGÓCIOS ORIZÍCOLAS DAS AMÉRICAS:

  • O evento superou a barreira de R$ 200 milhões do volume de negócios, estimado pela Comissão Executiva.
  • Os diretores das grandes indústrias de máquinas e tecnologias avançadas foram unânimes em avaliar a Fenarroz 2008 como a maior de todos os tempos.
  • Favorecida também pelo bom momento do preço do arroz, que rompeu a barreira dos R$36,00 a saca, a feira mantém Cachoeira do Sul no calendário de lançamentos das indústrias e das pesquisas voltadas para a modernização e otimização da produção orizícola.
  • Percorreram os pavilhões e a área de estandes externos, industriais de engenhos de todo o estado, assim como gestores e investidores nacionais e internacionais. De acordo com os próprios expositores, vieram executivos de Estados como Pernambuco, Roraima, São Paulo, Mato Grosso, além de outros países (Argentina, Bolívia, Uruguai, Estados Unidos e Itália, entre outros).
  • O público da 15ª Fenarroz fechou em cerca de 120 mil pessoas.


Foto pavilhão.jpg

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann

Ação & Realização

Poder público marca presença na 15ª Fenarroz e orienta a comunidade


Foto prefeitura.jpg

Comunidade foi atendida no estande da Prefeitura

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann


Não foram apenas máquinas, implementos e novidades no agronegócio que o público da Fenarroz conheceu nesta última edição da feira. A comunidade teve acesso livre ao estande da Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul e um funcional esquema da administração possibilitou que, ao longo dos nove dias de evento, fosse possível orientar a população no próprio Parque Ivan Tavares. Diariamente, os secretários se revezavam, recebiam o público e, ainda davam conta dos procedimentos burocráticos do cotidiano de trabalho.


UERGS – No dia 29 de maio, o reitor da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs), Carlos Alberto Martins Callegaro visitou a Fenarroz e fortaleceu o elo entre a instituição e o município. As expectativas da visita giram em torno da consolidação dos cursos existentes e da implantação de novos. Mas o ápice ficou à cargo da possível regularidade na oferta do vestibular na cidade.

MERCOSUL – Dirigentes do Mercado Comum do Sul (Mercosul) também prestigiaram a Fenarroz. Conforme a secretaria municipal do Interior e Transportes, a visita procurou esclarecer o município sobre as questões que envolvem o comércio do Mercosul, especialmente o do arroz. De acordo com as informações disponibilizadas pela secretaria, ficou claro que a diferença tributária do maquinário e dos insumos é que permite a entrada de arroz mais barato do Uruguai e Argentina. O ponto alto da visita foi, além do esclarecimento à administração sobre os melhores procedimentos nos casos de interesse comercial, a concepção conjunta acerca de temas como equalização das moedas, questões trabalhistas e fiscais, que propiciarão a efetiva evolução do bloco.

XIX VIGÍLIA – A XIX edição da Vigília do Canto Gaúcho também foi destaque na Fenarroz. Conforme a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal, muitos dos visitantes compareceram ao estande da Prefeitura para obter informações sobre o evento. A Vigília acontece entre hoje (13) e amanhã (14). A cantora internacional, Mercedes Sosa, será a grande atração no encerramento da final. Ela já garantiu a visita de admiradores de diversas partes do Estado, Santa Catarina, Paraná e Distrito Federal. Mercedes é uma cantora argentina de grande apelo popular na América Latina. São esperadas oito mil pessoas para as duas noites. Hoje, além da apresentação das músicas finalistas e de talentos locais, o público poderá conferir o show do cantor nativista Mano Lima. Amanhã, quando serão definidas as vencedoras da Vigília, a abertura do evento tem a apresentação do cantor Luiz Carlos Borges e o encerramento com um baile animado pelo grupo Fandangaço.

Foto mercedes.jpg


Curtas de Cachoeira:

  • INDÚSTRIA: A capital nacional do arroz, como é conhecido o município de Cachoeira do Sul, ganhou um forte impulso no setor da indústria e do comércio nos últimos anos. Prova disso é a reativação do extinto complexo industrial da Centralsul, através das indústrias Granol e Grandiesel, e a implantação do pólo calçadista, com as unidades da Schmidt Irmãos Calçados, Fama Calçados e Pinguin, além de uma escola de formação de mão-de-obra neste setor. Esses fatores mexeram significativamente com a economia de Cachoeira do Sul e da região. Conforme os últimos índices divulgados pelo Cadastro Geral de Emprego e Desemprego do Ministério de Trabalho, o município acumulou mais de 700 empregos formais.


  • EDUCAÇÃO: Uma série de projetos realizados em Cachoeira do Sul tem colocado a educação em evidência e equilibrado o momento econômico, o intercâmbio das tecnologias e o empreendedorismo numa mesma equação. Um exemplo é o Circuito Esportivo e Cultural (CIESC). Atendendo alunos da rede municipal de ensino, no turno inverso ao da escola, o projeto, na modalidade A, oferece oficinas de natação, esportes, artesanato, escotismo, canto, teatro, informática, remo, dança e academia de ginástica. O CIESC B também é destaque. O projeto comemora a 10ª edição de seu curso de qualificação e preparação para o mercado de trabalho e, já traz em sua bagagem o prêmio Gestor Público 2006, além de uma média de 530 egressos atuantes no mercado. Além desses projetos, a infância e a adolescência de Cachoeira do Sul participa ativamente de ações de cunho ambiental, de solidariedade e de exercício da liderança.

Foto 2.JPG


  • AGRICULTURA: Dados da secretaria municipal de Agricultura e Pecuária dão conta de que o arroz não está sozinho no cenário cachoeirense. A soja, o milho, a mandioca, a fruticultura, a horticultura e as sementes oleaginosas também são destaques. Conforme a secretaria, a expectativa dos produtores é positiva. Com a implantação e advento tecnológico do complexo Granol/Grandiesel, eles acreditam maximizar os resultados com o plantio de cultivares oleaginosos, como nabo forrageiro, canola, mamona, além da própria soja.

Foto 3.jpg


Confraternização

CELETRO OFERECEU CONFRATERNIZAÇÃO DURANTE 15ª FENARROZ

A Cooperativa de Eletrificação Jacuí Centro (Celetro), presente no estande junto à Associação das Cooperativas de Cachoeira do Sul (Ascoop), na 15ª Fenarroz, recebeu convidados na noite do dia 28 de maio, no Galpão Crioulo Meu Pago, do CTG José Bonifácio Gomes. O presidente José Benemídio Almeida, agradeceu a presença de todos, em especial da comitiva da 15ª Fenarroz, a quem cumprimentou pelo sucesso do evento.

Almeida também salientou a importância do crescimento e da evolução significativa que a Celetro vivencia atualmente. "Precisamos ressaltar que a Celetro está bem como um todo, tanto os associados como a cooperativa vivem o momento de sucesso”. Os convidados saborearam um churrasco servido por colaboradores da cooperativa.

Já às vésperas do término da feira, Almeida relatou o importante momento do evento no cenário mundial. “Tivemos a maior fera de todos os tempos. Acredito que o número de expositores e a mostra tecnológica superaram as expectativas. Foi um sucesso para Cachoeira, para o Estado, para o País e para a América. Os objetivos foram alcançados além do almejado, assim como as vendas”, finaliza Almeida.


Foto benemídio.jpg

José Benemídio de Almeida, como presidente da Ascoop e da Celetro, avaliou positivamente a 15ª edição da Fenarroz.

Créditos: Andrewes Pozeczek Koltermann



A CELETRO EM NÚMEROS:

  • Associados:15.175
  • Municípios beneficiados: 27
  • Redes construídas: 4.526,492 km
  • Postes colocados: 45.322
  • Transformadores instalados: 3.840
  • Potência instalada: 68.800 KVA
  • Capital subscrito: R$ 5.454.632,00
  • Faturamento médio mensal: R$ 580.000,00
  • Funcionários: 170

fonte: www.celetro.com.br


Confira alguns dos momentos do jantar de confraternização da Celetro:

006.jpg

O presidente da Celetro, José Benemídio Almeida e as Soberanas da 15ª Fenarroz.

006.jpg

O presidente José Benemídio Almeida em referência ao presidente da 15ª edição da Fenarroz, Érico Razzera

022.jpg

O presidente da Celetro em discurso. No fundo, os Conselheiros da cooperativa e, à frente convidados e autoridades.

023.JPG

O diretor da Ulbra, Gerceí Carlos Silveira, e a esposa, Anelise Telles Silveira, marcaram presença no jantar.

Créditos: Arquivo Celetro


RESPONSABILIDADE SOCIAL:

O 3º Batalhão de Engenharia de Combate (BECMB) vai inserir a Escola Angelina Salzano Vieira da Cunha em um projeto esportivo. O objetivo é fazer com que as crianças aprendam a jogar basquete. O início das atividades está previsto para o segundo semestre deste ano. Os jogos acontecerão pela manhã, no ginásio do BECMB. O batalhão fornecerá os uniformes, o material esportivo e os profissionais para ensinar e treinar as crianças. Os pré-requisitos para a participação são boas notas e bom comportamento. O projeto é uma ação de responsabilidade social com a intenção de aproximar o Exército da comunidade. Garantir a formação moral e cívica dos jovens, bem como estimular a prática esportiva e colaborar com a formação de novos atletas também são objetivos específicos da iniciativa.



Créditos: Divulgação


Cachoeira por Cachoeira

Município é uma página viva da história


Não só pela Fenarroz, Cachoeira do Sul projeta-se no cenário mundial. A história do município se confunde muito com as disputas territoriais entre Portugal e Espanha no sul do Brasil. E as marcas dessa história ficaram guardadas na cultura, na arquitetura e na memória de seu povo.

Cachoeira é o quinto município mais antigo do estado. Foi emancipado da cidade de Rio Pardo e instalado em 1820. A origem de seu nome se deve a uma antiga cachoeira existente no Rio Jacuí. Porém, em seu lugar foi construída a Ponte do Fandango. A cidade, hoje considerada uma das quatorze capitais farroupilhas, fica na mesorregião do Centro Oriental Rio-Grandense e na Microrregião de Cachoeira do Sul.

Fisiograficamente, está na Depressão Central do Rio Grande do Sul, na área compreendida como Vale do Jacuí, além de ser a principal e maior cidade do Conselho Regional de Desenvolvimento do Jacuí Centro e da Diocese de Cachoeira do Sul.

Além de ostentar o título de Capital Nacional do Arroz, o município também é produtor de noz-pecã. Possui diversos pontos turísticos dentre os quais pode-se citar o Château d'Eau (cartão-postal da cidade) e a Ponte do Fandango, primeira ponte-barragem construída no Brasil, sobre o Rio Jacuí.

Château d'Eau: É o principal ponto turístico da cidade. Seu primeiro objetivo era ser um reservatório de água para a cidade. Atualmente, o Château d'Eau é considerado patrimônio cultural do estado do Rio Grande do Sul, formando um dos mais belos conjuntos arquitetônicos do estado.

Foto1.1.JPG

O Château d'Eau é o principal símbolo de Cachoeira do Sul. Foi projetado pelo arquiteto Walter Jobim em 1925.

Créditos: Divulgação


Catedral Nossa Senhora da Conceição: Inaugurada em 1799, a Catedral Nossa Senhora da Conceição está localizada na frente do Château d'Eau. É um dos símbolos da história do Rio Grande do Sul.


Foto 1.2.JPG

A Catedral Nossa Senhora da Conceição é a sede da Diocese de Cachoeira do Sul. Tornou-se um símbolo na história do Rio Grande do Sul ao ser aí comemorada a vitória dos farrapos na Batalha de Rio Pardo, durante a Revolução Farroupilha, em 1836.

Créditos: Divulgação


Ponte do Fandango: Foi construída para facilitar o acessa da cidadã à capital Porto Alegre. A Ponte do Fandango foi a primeira ponte-barragem do Brasil e, na época, a segunda maior do mundo.


Foto 1.3.jpg

As eclusas fazem com que o rio Jacuí seja navegável também na parte norte da Ponte do Fandango.

Créditos: Divulgação


=CACHOEIRA DO SUL É ORGULHO

Motivos para o cachoeirense bater no peito e dizer onde nasceu não faltam. Os motivos vão da história, tradição gaúcha, às potencialidades econômicas e hospitalidade de seu povo.


Você sabia?


  • Que é no município que acontece uma das mais movimentadas e tradicionais semanas farroupilhas do Estado? A marca registrada é o roteiro de bailes que marcam a passagem da semana do gaúcho.

Foto gaucho.jpg


  • Que o Zoológico Municipal é o segundo do Rio Grande do Sul em espécies e também o único a contar com um serpentário? O ponto é um dos mais procurados durante o ano inteiro.

Foto zoo.jpg


  • Que há mais de 10 anos a Romaria da Mãe do Redentor é o principal evento religioso da região? Na edição de 2007, a organização estimou mais de 80 mil participantes.
  • Que Cachoeira também tem a Festa da Noz-pecã e do Arroz? A primeira edição aconteceu em 2007, na Praça Honorato Santos.
  • Que o município tem opção de veraneio? A Praia Nova do Jacuí transformou-se um dos pontos mais visitados durante o verão.
  • Que a cidade valoriza a consciência negra? Tradicionalmente realizada no mês de novembro, a Semana Municipal da Consciência Negra resgata os valores e os elementos d cultura do povo negro cachoeirense.

Foto racismo.jpg