SEARCH
TOOLBOX
modified on 3 de novembro de 2010 at 11h41min ••• 1 359 views

Agronegócio Cooperativas e Sindicatos (especial SZ)

De Wiki.dois

Conhecimento, tecnologia e evolução: A SZ aprova. A SZ informa.

Conheça a opinião de Almir Rebelo de Oliveira, o braço técnico e científico da empresa


Que a ciência e a tecnologia percorreram, ao longo de sua história, caminhos distintos até praticamente tornarem-se indissociáveis o empresário moderno e o cidadão comum já sabem. O noticiário conta. As revistas científicas analisam. E, nós somos os beneficiados seja em saúde, qualidade de vida e aperfeiçoamento intelectual. O que, apesar do advento da tecnologia da informação e avanço das pesquisas, fica difícil, são as situações que colocam o produtor rural em um verdadeiro dilema. Um exemplo são os argumentos favoráveis e contrários aos transgênicos. De um lado, são apontados como os mais eficientes meios para enfrentar a ameaça da inexorável falta de alimentos e para resolver uma série de enfermidades. De outro, são vistos como uma grande ameaça de ordem econômica, social e ambiental.

O dilema persiste e o Grupo Santa Zélia, referência no desenvolvimento e intensificação do comércio agrícola da região, firma a sua opinião. Almir Rebelo de Oliveira, engenheiro agrônomo, colaborador técnico de produção e sementes da empresa e presidente do Clube Amigos da Terra de Tupanciretã, reconhece o dilema, mas aponta que o conhecimento e um envolvimento de cerca de dez anos em torno da questão o caracterizam como personalidade favorável. Como liderança no movimento de produtores, ele conta que no último dia 12 tiveram uma conquista: “Realizamos uma manifestação em Brasília e o Conselho Nacional de Biossegurança liberou o plantio e a comercialização de duas variedades de milho transgênico”.

Na última reunião do conselho, em janeiro, os ministros adiaram a decisão e pediram um parecer à Advocacia Geral da União (AGU) sobre os recursos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pela proibição do milho transgênico. Segundo Almir, o parecer da AGU apontou que pela Lei de Biossegurança cabe à Comissão Técnica Nacional de Biotecnologia (CTNBio) a palavra final sobre o tema.

No que tange à SZ, o envolvimento com questões desse cunho e a familiaridade com o Protocolo de Cartagena - primeiro acordo internacional que rege a transferência, manejo e uso de organismos vivos modificados por meio da biotecnologia moderna - competem a uma iniciativa ambientalista que equilibre, numa mesma equação, a teoria e a prática. Milho, soja, trigo e pecuária são pontos fortes nesse sentido e elencados por Rebelo de Oliveira. Quando questionado em relação ao arroz, o engenheiro agrônomo é taxativo: “A lavoura orizícola é um exemplo de dinamismo e a renovação é imprescindível. Inclusive, os laboratórios do Instituto Riograndense do Arroz (Irga) já estão credenciados para pesquisas em biotecnologia”, enfatiza o incentivador do conhecimento em prol da evolução.


Fotosz.JPG

(Da esq. p/dir.) Teófilo Pereira, Diretor Executivo do Grupo Santa Zélia com Almir Rebelo de Oliveira, colaborador técnico de produção e sementes da empresa e presidente do Clube Amigos da Terra de Tupanciretã.

Créditos: Liana Merladete


Especial: Dois Assessoria de Comunicação